DestaqueRondônia

Entidades representativas se manifestam contra aumento na conta de luz em Rondônia

Os setores do Comércio, Indústria, Serviços e Turismo, por intermédio da  Câmara de Dirigentes Lojistas de Porto Velho – CDL -, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – Sebrae/RO, a Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas de Rondônia – FCDL -a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Rondônia – Fecomércio/RO -, a Federação das Associações Comerciais e Empresariais de Rondônia – FACER; a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes – Abrasel/RO, a Associação Comercial de Porto Velho – ACEP, a Associação Comercial de Rondônia – ACR –, a Organização das Cooperativas Brasileiras – OCB/RO -, o Sindicato das Micro e Pequenas Indústrias de Rondônia – SIMPI-,– , o Sindicato das Empresas de Segurança Privada de Rondônia – Sindesp–, o Sindicato do Comércio Atacadista de Rondônia – Singaro -, o Sindicato dos Lojistas de Rondônia – Sindilojas-, o Sindicato dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Rondônia – Sindhotel-, o Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino de Rondônia – Sinepe/RO,  assim como a  Câmara Municipal de Vereadores de Porto Velho repudiam veementemente o  reajuste de 25,34% da  tarifa de energia elétrica autorizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) em 11/12/18 e que entra em vigor a partir desta quinta-feira (13.12.18), em todo o Estado de Rondônia.

Essas entidades e instituições que representam uma fatia significativa do setor produtivo de Rondônia, portanto, a que mais emprega e gera empregos e tributos ao Estado, consideram o aumento da tarifa abusivo e gerador de impacto negativo sobre a nossa economia, haja vista os desdobramentos deste reajuste nos custos operacionais das empresas, bem como no orçamento doméstico dos cidadãos como um todo.

O aumento nesse patamar é uma vergonha e supera todos os principais índices que regulam a economia, considerando como referência, por exemplo, o da inflação, que deve fechar o ano de 2018 em torno de 4,5%.

Esse reajuste, logo após a privatização da Ceron para o grupo Energisa, é um indicativo preocupante, por sinalizar que os interesses privados e de alta lucratividade da concessionária de energia elétrica passam a sobrepor os limites do bom senso e os critérios de bem-estar e equilíbrio econômico e social da sociedade e do Estado.

As entidades e instituições ao reafirmarem o seu compromisso de trabalharem incansavelmente para que os direitos do setor produtivo e dos cidadãos rondonienses sejam resguardados, cobra das autoridades competentes e do grupo concessionário Energisa um reposicionamento referente ao aumento tarifário proposto, a fim de se fazer justiça ao povo rondoniense que hoje – apesar do uso do potencial hidrelétrico do Rio Madeira, via instalação das duas usinas hidrelétricas que produzem energia  para o Sul e Sudeste do Brasil –   tem, ironicamente, como contrapartida, continuar pagando uma das tarifas de energia elétrica mais caras do País.

Porto Velho, 12 de dezembro de 2018

Assessoria

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Fechar