DestaqueMundo

Papa Francisco pedirá ‘globalização da solidariedade’

Como sempre em termos de Vaticano, tudo é carregado de simbolismo

segunda-feira, 26/10/2020

Em fevereiro de 2019, em viagem aos Emirados Árabes Unidos, o papa Francisco assinou conjuntamente com o grande imã de Al Aazhar, Ahmad Al-Tayyeb, uma histórica declaração de fraternidade, pedindo paz entre nações, religiões e raças. Um ano depois, com o mundo enfrentando a pandemia de covid-19, o sumo pontífice viveu uma reclusão inédita e, portanto, teve tempo para observar os rumos do mundo e refletir. É o resultado disso que se espera quanto ao conteúdo da terceira encíclica de Francisco, Fratelli Tutti, que deve ser publicada no início de outubro.

Como sempre em termos de Vaticano, tudo é carregado de simbolismo. A carta será divulgada no dia de São Francisco de Assis (1182-1226), de quem o cardeal argentino Jorge Bergoglio emprestou o nome quando se tornou papa. Fratelli Tutti, ou “todos irmãos”, é trecho de citação atribuída ao santo. Francisco, o papa, viajará até Assis no próximo dia 3, onde deve celebrar uma missa – com acesso restrito – e assinar a carta próximo ao túmulo de São Francisco. As expectativas, portanto, residem em um documento carregado da espiritualidade e do carisma franciscanos: fraternidade humana, tolerância entre todos, respeito à natureza.

Com o planeta aturdido pelo coronavírus, contudo, esse contexto deve estar presente no documento, apostam especialistas ouvidos pelo Estadão. “Em várias ocasiões, o papa Francisco tentou delinear como o mundo deve se repensar depois da pandemia e uma chave de leitura será a de um mundo mais fraterno”, diz o vaticanista italiano Andrea Gagliarducci, do grupo ACI-EWTN. “A fraternidade será a chave da compreensão, o centro de um raciocínio que deve trazer a base de um mundo mais unido e mais próximo dos marginalizados.”

O vaticanista acredita que a essência do texto assinado com o grande imã de Al Azhar deve estar na encíclica. E o papa incluirá expressões recorrentes de seus discursos sobre o mundo pós-pandêmico, como a gravidade do “vírus da desigualdade” e a necessidade da “globalização da solidariedade”. “E haverá referências franciscanas, como inspiração.”

“Ele vai abordar a solidariedade tão urgente no mundo de hoje, pós-pandêmico”, diz frei Marcelo Toyansk Guimarães, da Comissão Justiça, Paz e Integridade da Criação dos Frades Capuchinhos do Brasil. “O modo como nós, franciscanos, entendemos a ecologia é muito forte no papa Francisco. Mas a fraternidade também é algo central na espiritualidade franciscana. O papa caminha na esteira de São Francisco, inspirado por São Francisco.”

Importância

Na hierarquia dos documentos católicos, a encíclica é a mais importante. Dirigida aos bispos do mundo todo – e, por conseguinte, aos fiéis de todas as dioceses -, traz o chamado magistério de um papa, ou seja, os pontos basilares de sua doutrina. “Diferente de uma exortação apostólica, de uma carta pastoral, de um pronunciamento, de uma homilia ou de um tuíte, a encíclica, mesmo que não traga nada de novo sobre o tema, tem o peso de se tornar ensinamento oficial da Igreja”, esclarece o vaticanista Filipe Domingues. “Trata-se de um documento que tem uma base teológica, é mais sólido e tem peso histórico.”

É de se esperar a inclusão de ideias como a dita por Francisco naquela histórica celebração em que ele rezou solitário na Praça São Pedro, em 28 de março, sob chuva. “Ele disse que ‘estamos todos no mesmo barco’, ‘Jesus é quem nos guia nessa tempestade’, ‘temos de nos unir para tratar desses problemas que são problemas da humanidade'”, recorda Domingues. “A mensagem é que não adianta a gente achar que com soluções locais vai ser possível responder a problemas globais – e a pandemia é só um deles.”

Isolamento

O isolamento social de 2020 não foi fácil para ninguém. Mas, para o historiador italiano Alberto Melloni, a pandemia deve marcar o “começo do fim” do pontificado de Francisco. A frase é controversa. Mas o que vaticanistas concordam, contudo, é que o período solitário dentre os muros do Vaticano realmente mexeu com um papa conhecido por gostar de estar rodeado de pessoas. “Não podemos saber se esta é a fase final do pontificado de Francisco. Mas, certamente, estamos em uma nova etapa, oriunda de uma circunstância: a pandemia que parou tudo, colocou o mundo em espera e portanto, também o pontificado”, define o vaticanista italiano Andrea Gagliarducci.

“A pandemia obrigou uma ‘parada’, foi um baque no pontificado de Francisco, que vinha num ritmo intenso até o Sínodo da Amazônia. Ele tinha viagens previstas para este ano e precisou suspender muita coisa”, comenta o vaticanista Filipe Domingues. “Era de se esperar que, no meio disso tudo, ele dedicasse um tempo para escrever.”

Já Domingues prefere cautela sobre dizer que seja a reta final do papado de Francisco. “Historicamente, é verdade que muitos pontificados terminam depois de um susto – eles fazem com que o dinamismo diminua e haja uma decadência. Em geral, são homens idosos”, analisa. “Alguns historiadores estão dizendo que a pandemia é o baque que Francisco está sofrendo. Ele é social, ativo, sai, quer encontrar as pessoas, e foi obrigado a ficar no escritório, preso no Vaticano, sozinho, isolado do povo e das pessoas que o informam sobre o que está ocorrendo do mundo – não tem mais o trânsito de bispos, de pessoas que ele conhece.”

Segundo tal ponto de vista, a gestão de Francisco entrará em um declínio. “Eu não acredito nisso. Ainda não acho que é o golpe final dele. Acho que ainda tem muita coisa para oferecer”, completa o vaticanista.

Para o Domingues, a nova encíclica pode novamente pautar sua voz pelo mundo. E, assim que condições tornarem a ser seguras, ele deve voltar a viajar. “Claro, o papa não é jovem (fará 84 anos em dezembro), mas só Deus sabe se esta é a fase final”, pontua Gagliarducci. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Noticias ao Minuto

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Fechar