BANNER GOVERNO

Policial adota menina que socorreu por violência doméstica

13 dezembro, 2020

EUA – Sabe quando o coração fala mais alto? Foi o que aconteceu com um policial depois de atender a um chamado e conhecer uma menina que sofria violência doméstica, estava machucada e não sabia falar. O tenente Brian Zach ficou tão tocado que acabou adotando Kaila, de quatro anos.

Em março de 2018 ele trabalhava como sargento de patrulha no Departamento de Polícia de Kingman, no Arizona, EUA, quando recebeu um chamado para verificar a residência da criança.

Quando chegou lá a menina estava com ferimentos, hematomas e para tranquilizar a menina, Brian Zach passou aquela noite brincando com ela.

“Colorimos, comemos … ela segurou minha mão e era uma coisinha fofa”, contou Zach.

Quando os detetives chegaram, Kaila foi levada para o hospital.

Policial adota menina que socorreu por violência doméstica

A aproximação

Depois de passar horas com Kaila, Zach foi pra casa com a menina na cabeça e contou à esposa dele o que havia acontecido.

Em seguida ele soube que os serviços de proteção à criança não tinham conseguido encontrar um lugar imediato para Kaila ficar. E Zach interveio.

“Tínhamos que conseguir uma cama. Tínhamos que conseguir uma cadeira alta, cadeirinha. Ela veio com uma sacola de roupas que não cabiam nela e um copo com canudinho e foi isso”, disse ele, já com um sentimento de pai no peito.

Zach e a esposa entraram com pedido para cuidar da menina.

“Vivíamos cada semana sem saber se ela voltaria para seus pais biológicos ou por quanto tempo a manteríamos”, contou.

LEIA TAMBÉM:

Criança é imprensada e morre esmagada em porta de elevador; cenas fortíssimas

Caixão com corpo cai de carro funerário e é ‘esquecido’ no meio da rua

‘A Praça é Nossa’ irá homenagear Gugu Liberato e Rapadura

Pastor suspeito de estuprar meninas em Jaru se entrega a polícia

Vida nova

Mas em agosto deste ano, 30 meses depois, a família conseguiu adotar Kaila oficialmente no Tribunal Superior do Condado de Mohave, na cidade de Lake Havasu.

O casal conta como o amor e o carinho do novo lar transformaram Kaila em uma criança feliz, bem diferente do passado.

“Quando a pegamos, ela sabia basicamente três palavras, ela grunhia como um homem das cavernas, ela não sabia falar. E agora ela adora falar”, contou o pai.

E ele deixa uma mensagem para quem está pensando em adotar: “adoção é não ter medo do processo porque “vale a pena”, garantiu.

Fonte: Sonoticiaboa

 

Roagora Fanpage

Comentarios