Economia

Se presidente vetar reajuste, país volta à ajuste fiscal, diz Guedes

Guedes afirmou que é preciso garantir que em 2021, os gastos com Previdência, juros de dívida e despesas com funcionalismo sigam controlados

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que se o presidente Jair Bolsonaro vetar o reajuste salarial do funcionalismo público fica garantido que, já em 2021, o Brasil volta para a trilha do ajuste fiscal. “Se o presidente vetar esse aumento, como disse que vai fazer, o déficit fiscal extraordinário por conta das medidas para combate à pandemia fica restrito a este ano”, disse Guedes em videoconferência organizada pelo Itaú BBA no período da tarde deste sábado, 9.

Guedes afirmou que é preciso garantir que em 2021, os gastos com Previdência, juros de dívida e despesas com funcionalismo sigam controlados.

Ele observou que os dois primeiros itens – ou inimigos, como ele denominou – já estão controlados por conta da reforma da Previdência e pela mudança de política econômica, respectivamente. “Mudamos o ‘policy mix’, com juros mais baixos e câmbio mais altos, o que derrubou despesas.”

O ministro acrescentou que acredita que existe uma consciência hoje no Brasil sobre a necessidade da sustentabilidade fiscal. “Mudamos o regime fiscal. Em vez de freio monetário e ‘fiscal’ frouxo, passamos para ajuste fiscal, com juros mais baixos e câmbio mais alto”, disse. “O que pedimos agora é que o funcionalismo público faça uma contribuição”, disse.

Medidas

Na conferência, o ministro aproveitou para relembrar as medidas tomadas pela equipe econômica para apoiar o consumidor e também as empresas durante a atual crise.

Ele avalia que a reação do Brasil foi rápida e acima da média de países avançados. Nesse contexto, Guedes comparou o Brasil aos Estados Unidos. Disse que o governo brasileiro ajudou a preservar mais de 6 milhões de empregos, enquanto os Estados Unidos registrou mais de 20 milhões de desempregados. “Estamos dando soluções de mercado para que grandes empresas possam se reequilibrar”, afirmou.

O ministro disse que é verdade que o Produto Interno Bruto (PIB) está em queda forte mas ponderou que o governo está mantendo os “sinais vitais da economia” em pleno funcionamento. “Os sinais são interessantes sobre a preservação de saúde e as perspectiva é de saída em “v”. O Brasil está surpreendendo. A hipótese menos provável para o Brasil é a da prolongada recessão”, previu.

LEIA TAMBÉM:

Caixa abre 680 agências neste sábado para saque do auxílio emergencial

Impostos

Guedes garantiu que o governo Bolsonaro não vai aumentar carga tributária. “Criar impostos para aumentar carga tributária não será no nosso governo”, disse.

Ele enfatizou que a ideia de saída da crise econômica através de investimento público e impostos não vai acontecer. “Não será conosco”, disse em videoconferência.

Ainda voltando a destacar sua contrariedade ao novos aumentos salariais para o funcionalismo público, aprovados pelo Congresso Nacional, ele disse que “seria um equívoco manter possibilidade de reajuste a servidor”. “Não é caminho razoável.”

E acrescentou que é normal que quando Congresso aprove algo, presidente da República possa vetar. “Estamos pedindo essa contribuição do funcionalismo. Mas pedimos que sejam suspensos apenas os aumentos. As promoções, seja na carreira civil ou na militar, continuarão acontecendo normalmente, porque não são aumentos generalizados”, disse ele.

Fonte: Noticiasaominuto

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Fechar