DestaqueMundo

Vírus letal achado na Bolívia é transmitido entre pessoas, alertam cientistas

Pesquisadores afirmam que o vírus Chapare, semelhante ao ebola, pode ser transmitido entre humanos. O micro-organismo infectou cinco e matou três na Bolívia, em 2019

sexta-feira, 04/12/2020

Um vírus mortal, que já fez vítimas na Bolívia, é transmissível entre humanos e exige atenção das autoridades de saúde para que um surto seja evitado no futuro, alertaram pesquisadores nesta segunda-feira (16/11), durante o congresso anual da Sociedade Americana de Medicina Tropical e Higiene (ASTMH, na sigla em inglês). A apresentação foi feita por especialistas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC, na sigla em inglês).

O vírus em questão é o Chapare, que em 2019 infectou cinco pessoas em uma região de mesmo nome, perto de La Paz, matando três delas. O micro-organismo havia sido identificado no mesmo local em 2004 e desde então havia desaparecido, até ressurgir.

Como outros arenavírus, uma vez no corpo humano, ele provoca febre hemorrágica e afeta vários órgãos, causando sintomas parecidos com outro vírus letal, o ebola. Os sintomas incluem dor abdominal intensa, vômito, sangramento nas gengivas e dor atrás dos olhos. Não há tratamento ainda para o mal.

Disseminação controlada

Os casos mais recentes provocaram uma rápida mobilização de infectologistas da Bolívia e dos Estados Unidos, com apoio da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), o que ajudou a impedir sua disseminação e permitiu a realização do estudo, cujos resultados foram apresentados nesta segunda-feira.

“Nosso trabalho confirmou que um jovem médico residente, um médico de ambulância e um gastroenterologista contraíram o vírus após contato com dois pacientes infectados. E dois desses profissionais de saúde vieram a falecer depois”, afirmou Caitlin Cossaboom, epidemiologista do CDC. “Nós acreditamos que muitos fluidos corpóreos têm potencial para carregar o vírus”, completou.

Segundo Cossaboom, a confirmação de uma transmissão entre humanos é um alerta para que qualquer pessoa lidando com casos suspeitos do vírus Chapare evite contato com itens que podem estar contaminados com sangue, urina, saliva ou sêmen. Um dos médicos contaminados, por exemplo, aparentemente contraiu o vírus ao realizar um procedimento de sucção da saliva de um dos pacientes. Além disso, os pesquisadores encontraram o RNA do vírus no sêmen de um dos sobreviventes 168 dias após a infecção.

LEIA TAMBÉM:

Furacão Iota extremamente perigoso aproxima-se da América Central

Teste diagnóstico

Outro resultado do estudo foi a identificação do RNA viral em roedores recolhidos nas redondezas da fazenda onde vivia uma das três vítimas de 2019. Essa descoberta, no entanto, não prova de que os animais foram os transmissores para os humanos, ressaltou Cossaboom. Tais roedores, cujo nome científico é Oligoryzomys, são popularmente conhecidos como camundongos-do-mato e podem ser encontrados em vários países da América do Sul.

A coleta do RNA do vírus Chapare também permitiu que a equipe produzisse um teste diagnóstico parecido ao teste usado para detectar a covid-19. O trabalho foi muito elogiado pelo presidente da ASTMH, Joel Breman. “É uma valiosa lição de como equipes internacionais de cientistas, equipadas com as mais modernas ferramentas e com troca livre de informações, são as nossas melhores linhas de defesa contra as ameaças de doenças infecciosas mortais”, ressaltou.

Correio Braziliense

Roagora Fanpage

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Fechar