Energisa
ALE 01 04 970x250

Sargento ligou para PM e avisou sobre chacina: “Vou matar todo mundo”

11 fevereiro, 2022

Antes de matar a mulher e os dois filhos, e de cometer suicídio, o sargento da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) Nilson Cosme Batista dos Santos (foto principal) ligou para o 14º Batalhão da PM, em Planaltina, para avisar sobre a chacina. O policial estava muito nervoso e disse que mataria todos. Ainda durante a ligação, os militares chegaram a ouvir diversos tiros.

Sargento ligou para PM e avisou sobre chacina: “Vou matar todo mundo”

Cerca de cinco minutos após o chamado, uma equipe foi até a residência, localizada na Quadra 161, no Setor Tradicional, em Planaltina. Os PMs tentaram contato com a família, mas ninguém respondeu.

Os policiais militares perceberam sinais de fumaça no imóvel, arrombaram o portão e acionaram o Corpo de Bombeiros. Durante todo o tempo, os PMs chamavam por Cosme e tentavam contato com os moradores.

Portas e janelas da casa estavam totalmente trancadas. Ao forçar a entrada, a guarnição viu um corpo ao chão, em um dos quartos. Dois policiais ainda tentaram arrastar o corpo para tirá-lo das chamas. Contudo, devido à fumaça, não conseguiram. Um galão vazio cheirando a álcool também foi encontrado no local.

O incêndio foi contido pelo Corpo de Bombeiros, que também fez a retirada de quatro corpos. Perto de um dos mortos foi encontrada uma pistola CZ .9mm, da PMDF.

Depressão – Em uma conversa com colegas de quartel dois dias antes de matar a família e cometer suicídio, o sargento da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) Nilson Cosme Batista dos Santos reclamou que estava exausto e sob pressão. Ele também alegou que não conseguiu fazer tratamentos de saúde, aparentando estar em depressão.

Sem se identificar, um colega do policial lembrou do desabafo feito dias antes da chacina. “Ele reclamava que sofria muitas cobranças, mas não tinha assistência e precisava fazer tratamento. A família pegou Covid, ele estava muito estressado e passando dificuldades. Contou que estava constantemente sob pressão”, detalhou.

LEIA TAMBÉM:

Jovem de 21 anos morre afogada nas águas do rio Machado em Ji-Paraná

Homem não aceita ser rejeitado por mulher e ateia fogo na residência dela

Mãe arranca cordão umbilical, mata e joga recém-nascido no lixo

Dupla executa jovem com tiro na cabeça em Rolim de Moura

Sargento da Polícia Militar de Rondônia morre após dias internado

Casal tranquilo- Conforme conta a vizinha da família, Lucileide Maria Lucas, 33 anos, a família não parecia ter problemas. “Sempre foram um casal tranquilo, iam à igreja, ela era católica. Iam em São Sebastião, ela falava que ia na missa das 17h. Os dois sempre me tratavam bem, os meninos brincavam, jogavam videogame. Sei que o mais velho passou na UnB”, diz.

Ainda de acordo com a moradora da região, ela era bem próxima de Maria de Lourdes, e chegou a conversar com a vítima ainda no dia do crime. “Dia 2 ela mandou áudio dizendo que estava com Covid. Dia 8 perguntei se estava tudo bem, ela disse que sim. Hoje eu mandei áudio e ela visualizou às 17h50”, revelou.

Amigo de infância dos dois jovens assassinados, João Vitor Gonçalves, 20 anos, contou emocionado à reportagem que ambos eram muito estudiosos. “Eles nunca foram de sair, de farra, [ficavam] só estudando. Mas jogavam muito videogame. O Isaac passou pra engenharia química na UnB. Eu não consigo nem falar o que eu estou sentindo, só quem perdeu sabe”, lamentou.

Outra amiga de Maria de Lourdes era a técnica agropecuária Ivazine Silva, 56. “Morei do lado dela, meu filho cresceu junto do filho dela. Os rapazes eram todos estudiosos, a mulher fez de tudo pra ele passar no concurso, o sonho dele era ser policial.”

“Não falava com ninguém, nunca vi esses filhos dele. Ele era muito fechado, procurava confusão com todo mundo na rua, tem mais de 20 anos que moro aqui e nunca falei com ele”, comentou Tiago Alves, 33 anos, que mora nas redondezas.

Segundo informações do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal (CBMDF), a corporação foi acionada para atuar, a princípio, em um incêndio em edificação. No local, a equipe encontrou as vítimas mortas.

A suspeita é que Nilson tenha colocado fogo na casa. Nessa linha de investigação, supõe-se que, antes de o fogo consumir todo o imóvel, o sargento cometeu suicídio. Um dos corpos estava na sala, atrás da porta, e os outros três, dentro de um quarto.

Fonte: Metrópoles

Roagora Fanpage

Comentarios