ALE 01 09
GOV-3 13 11

Jovem confessa que matou a mãe com mata-leão e deu festa após cometer o crime

9 janeiro, 2021

Crime foi descoberto quatro dias depois


Um jovem de 20 anos teve a prisão preventiva decretava na quinta-feira (7) por suspeita de ter matado a própria mãe com um golpe chamado mata-leão, em Joinville, Santa Catarina. As informações são do Portal NSC Total. O rapaz confessou à Polícia Militar no momento da prisão e, depois, em depoimento à Polícia Civil, que assassinou a mãe, Albertina Schmitz Tasca, de 61 anos, com estrangulamento na noite de sábado (2).

Segundo o delegado que atendeu o caso, Roberto Patell Junior, o homem contou que não conseguiu controlar uma explosão de raiva durante uma discussão com a mãe e, no momento em que ela virou de costas, ele a acertou com um golpe mata-leão.

— Eles discutiam próximo ao banheiro do quarto dela e ele disse que, no momento do golpe, ela não reagiu, nem falou nada. Aí ele percebeu que ela estava morta — detalha Patella.

Jovem confessa que matou a mãe com mata-leão e deu festa após cometer o crime

Ele contou que colocou um lençol sobre a mulher e trancou a porta do quarto dela. Conforme o depoimento de familiares da vítima, era comum ela trancar o cômodo por medo do filho. Além disso, em depoimento, os familiares afirmaram que eles discutiam constantemente e que por vezes o filho chegava em casa alterado pelo consumo de álcool e drogas.

Durante os quatro dias em que o corpo dela permaneceu no local, o jovem manteve uma rotina normal na casa, segundo imagens de câmeras de segurança de casas vizinhas analisadas pela polícia. A polícia ainda diz que ele fez uma festa quando levou amigos para beber na residência.

LEIA TAMBÉM:

TRÁGICO: Homem pede pra ex-mulher se despedir da filha antes de assassiná-la em Rondônia

Homem tenta matar mulher de 35 anos a facada após discussão em bebedeira

Ex-morador de Cerejeiras, servidor municipal em MT é exonerado do cargo e denunciado por abusar sexualmente de pelo menos três mulheres

A morte só foi descoberta na manhã de quarta-feira (6) pela filha mais velha de Albertina, que encontrou o corpo da mãe coberto por um lençol em um banheiro da casa onde residia com a família.

O caso é tratado como homicídio qualificado. “O crime foi por motivo fútil e também tem como agravante a morte por asfixia, a idade da vítima [já idosa], e pela morte se enquadrar num caso de feminicídio, devido ao fato dela ser mulher e o crime ter sido praticado no seio familiar”, diz o delegado.

 

Fonte: Bandab

 

Roagora Fanpage

Comentarios