DestaquePolícia

Empresário é executado a tiros após invasão de escritório; ex pode estar envolvida

Um funcionário da empresa estava próximo ao patrão no momento dos tiros e foi atingido na perna, mas não corre risco de morte.

sábado, 05/12/2020

O empresário do ramo madeireiro, Artemio Richter, foi executado a tiros no início da tarde dessa terça-feira (04) dentro de seu escritório, na rua 3 Vicinal Leste, em Cotriguaçu, onde fica localizada a madeireira Richter.

Segundo informações preliminares, os disparos de arma de fogo foram efetuados por um homem, ainda não identificado, que invadiu a madeireira pelos fundos e executou Artemio.

Um funcionário da empresa estava próximo ao patrão no momento dos tiros e foi atingido na perna, mas não corre risco de morte.

Ainda não há informações sobre as causas e motivações do homicídio doloso, mas é sabido que ele estava em uma disputa com a ex-esposa. Fontes afirmam que a mulher pode estar envolvida.

A Polícia Militar (PM) isolou o local e comunicou o fato à Polícia Civil e Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec), responsáveis pelos procedimentos no andamento da ocorrência.

A ocorrência está em andamento.

LEIA TAMBÉM:

Avó que presenteou neto com Corolla vai responder por homicídio

Histórico

A ex-mulher de Artêmio, Leani Friedrich Richter (PR), conhecida como “Neca”, representou no dia 13 de março deste ano, um pedido de medida protetiva contra o empresário, onde segundo a denúncia, ela era ameaçada e sofria humilhações na frente dos filhos do casal e funcionários da madeireira, que, segundo ela, também é de sua propriedade.

Neca salientou que estava com medo de sofrer um atentado, porque se sente ameaçada pelo ex-marido.

Na tarde do último dia 29 de abril Artêmio, foi preso portando uma revólver calibre 38, sem porte ou documentos. O empresário foi encaminhado à Delegacia de Policia de Cotriguaçu, onde um termo de apreensão e um auto de prisão em flagrante delito foi registrado contra ele.

Artêmio teria alegado que a arma pertencia ao seu funcionário, chamado André de Paula, salientando que não sabia que o empregado andava armado.

Fonte: RepórterMT

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Fechar