Ale RO ate dia 7/04

Empresa fornecedora de oxigênio afirma que situação em RO pode ficar ‘muito pior do que ocorreu no AM’

21 março, 2021

A Cacoal Gases, empresa fornecedora de oxigênio, emitiu um documento informando a gravidade da situação do abastecimento de oxigênio no estado. Segundo a empresa, se novas medidas não forem tomadas para evitar a falta do insumo, a situação do estado pode ficar “muito pior do que ocorreu no Estado do Amazonas”.

No documento a empresa diz que no dia 11 de março informou às 33 prefeituras do estado que utilizam seu produto que estava com dificuldade de adquirir insumos para manter o fornecimento regular de oxigênio medicinal. Disse também que o consumo mensal do estado subiu de 80 mil m³ por mês para 160 mil m³ por mês, o que tornava a produção local suficiente apenas para 15 dias.

De acordo com a empresa, após mais de uma semana nenhuma medida efetiva foi tomada, o que é agravado pelo aumento da demanda nesse período, pois entre fevereiro e março o consumo de oxigênio por dia teria sido até quatro vezes maior em uma das cidades.

Empresa fornecedora de oxigênio afirma que situação em RO pode ficar 'muito pior do que ocorreu no AM'

O aumento no número de novos diagnósticos da Covid-19 também preocupa a empresa, que aponta que com o novo cenário visto no estado passam a ser necessários 240 mil m³ de oxigênio para atender a região.

No documento consta que apesar das conversas com o Ministério da Saúde, apenas na última sexta-feira (19) foram entregues 5 mil m³ de oxigênio líquido, o que atende o Hospital Municipal de Ariquemes por apenas dois dias.

Ainda diz que postagens de políticos que afirmam que o problema do abastecimento de oxigênio no estado foi resolvido é “mera conduta de palanque eleitoral”, pois se o problema não for resolvido o oxigênio vai se esgotar na próxima quarta-feira (24) e Rondônia pode viver um cenário pior que o ocorrido no Amazonas.

LEIA TAMBÉM:

Pastor da Assembleia de Deus morre vítima de covid em Cuiabá

O documento também foi enviado ao Ministério Público Federal, que notificou o Ministério da Saúde na última sexta-feira (19) cobrando medidas para resolver o problema. A pasta tem até a segunda-feira (22) para responder os questionamentos.

O G1 questionou o Governo do Estado sobre o abastecimento de oxigênio, mas não obteve resposta até a última atualização desta reportagem.

Fonte: G1/RO

Roagora Fanpage

Comentarios