GOV 01 09
ALE 01 09

Avó de 77 anos, filhos e netos são presos por estupro de primas e sobrinhas

2 setembro, 2021

Uma mulher de 77 anos, seus dois filhos e um neto foram presos em Três Lagoas, no Mato Grosso do Sul, por suspeita de um grande esquema de estupro de menores de idade que teriam ocorrido durante duas décadas. Além deles, um outro neto da idosa já havia sido preso no início de agosto no âmbito da operação Sodoma e Gomorra. As vítimas eram primas e sobrinhas deles, segundo informações da Folha de S. Paulo.

Avó de 77 anos, filhos e netos são presos por estupro de primas e sobrinhas

“Ficávamos fazendo a investigação sem muita abordagem, esperando que as vítimas nos procurassem. Elas ainda estavam morando naquele ambiente, junto com os agressores, então não podíamos simplesmente chegar ali e colocá-las em risco”, contou Nelly Macedo, delegada-adjunta da Delegacia da Mulher de Três Lagoas.

A vítima mais antiga sofreu o primeiro abuso há 17 anos, quando ainda tinha 8. Ela teria sido estuprada por mais de um parente. Segundo as investigações, pelo menos 13 crianças e adolescentes da mesma família foram alvo de um ou mais parentes.

Uma das vítimas, segundo a Polícia Civil de Mato Grosso do Sul, foi estuprada aos 5 anos. Os abusos só pararam aos 13.

LEIA TAMBÉM:

Corpo de ex-secretário que desapareceu em rio durante pesca é localizado boiando pelo Corpo de Bombeiros

Empresária é brutalmente assassinada e marido é preso suspeito do crime

Trabalhador morre após sofrer descarga elétrica em mineradora de Nova Brasilândia do Oeste

Pedófilo de 72 anos é preso por tentar estuprar a própria filha

Três homens são mortos em confronto com o BOPE e Força Nacional em distrito de Porto Velho

Ciclista que atua em Rondônia desde os anos 90 morre vítima de covid-19

Mãe encontra filho de 2 anos morto com bilhete ao lado: ‘Seu filho viu o que não devia’

Jovem tenta salvar criança de estupro e é atacado a tiros

Rapaz de 27 anos é chamado em casa e quando sai para atender, é assassinado com tiro no peito

Segundo PC-MS, após a primeira prisão da operação, os familiares acreditavam que a investigação cessaria.

“Eles pensavam que tinha ficado restrito a essa vítima. Como tinham esse controle, não acreditavam que as outras pessoas teriam coragem de denunciar”, explica a delegada.

Fonte: Painel Político

Roagora Fanpage

Comentarios