GOV 970x250 09 07

Anestesista esperou marido de grávida deixar sala de parto com o bebê para cometer estupro

12 julho, 2022

A direção do Hospital da Mulher Heloneida Studart, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense, informou nesta segunda-feira (11) que o anestesista preso em flagrante por estupro contra uma paciente esperou o marido da vítima deixar o centro cirúrgico para cometer o crime.

Na madrugada desta segunda, o médico Giovanni Quintella Bezerra abusou de uma paciente enquanto ela estava dopada e passava por uma cesariana.

A prisão foi feita pela delegada Bárbara Lomba, da Delegacia de Atendimento à Mulher de São João de Meriti, após funcionários da unidade de saúde filmarem o anestesista colocando o pênis na boca da paciente. O vídeo serviu de prova para a prisão em flagrante do anestesista Giovanni Bezerra. Ele foi indiciado por estupro de vulnerável, cuja pena varia de 8 a 15 anos de reclusão.

anestesista - Anestesista esperou marido de grávida deixar sala de parto com o bebê para cometer estupro

A direção do hospital informou também que vai abrir uma sindicância interna para apurar as denúncias de estupro durante cesáreas realizadas na unidade. O Conselho de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj) também foi notificado pela unidade de saúde.

Segundo nota divulgada pelo hospital, o médico não é servidor do estado. Giovanni tem título de especialista em anestesiologia, CRM regular e prestava serviço há seis meses como pessoa jurídica para os hospitais estaduais da Mãe, da Mulher e Getúlio Vargas.

As unidades saúde estão em contato com a Polícia Civil para colaborar com as investigações.

Funcionárias desconfiaram e gravaram

As funcionárias vinham desconfiando do comportamento do anestesista e estranhavam, por exemplo, a quantidade de sedativo aplicado nas grávidas.

As enfermeiras e técnicas responsáveis pelo flagrante contaram que, no domingo (10), o médico já tinha participado de outras duas cirurgias em salas onde a gravação escondida era inviável.

Na terceira operação do dia, elas conseguiram, de última hora, trocar a sala, esconder o telefone e confirmar o flagrante.

No vídeo do flagrante, a paciente está deitada na maca, inconsciente. Do lado esquerdo do lençol, a equipe cirúrgica do hospital começa a cesariana. Enquanto isso, do lado direito do lençol, a menos de um metro de distância dos colegas, Giovanni abre o zíper da calça, puxa o pênis para fora e o introduz na boca da grávida.

A violência dura 10 minutos. Enquanto abusa da gestante, o anestesista tenta se movimentar pouco para que ninguém na sala perceba. Quando termina, pega um lenço de papel e limpa a vítima para esconder os vestígios do crime.

Giovanni Quintella Bezerra, de 32 anos, atuou em pelo menos 10 hospitais públicos e privados no Rio de Janeiro. O médico se formou em 2017 pelo Centro Universitário de Volta Redonda (UniFOA), no Sul Fluminense, e concluiu a especialização em anestesia no início de abril.

Vaidoso, Giovanni postava fotos com vestimentas das unidades de saúde e chegou a publicar um “Vocês ainda vão ouvir falar de mim, esperem”.

Em outra postagem, Giovanni afirmou fazer o que gosta: “Estou aqui colhendo os frutos”.

O comportamento estranho do médico chamou a atenção das mulheres da equipe do Hospital da Mulher Heloneida Studart, em Vilar dos Teles. Elas começaram a estranhar a quantidade de sedativo que o anestesista aplicava e a forma como ele se movimentava atrás do lençol que separava a equipe.

O médico demonstrou surpresa ao receber voz de prisão da delegada Bárbara Lomba e ao tomar conhecimento de que tinha sido gravado abusando da paciente.

Fonte:  G1

Roagora Fanpage

Comentarios